Lepra do pessegueiro (Taphrina deformans)


Hoje o dia começou com uma desilusão: Os nossos quatro bonitos Pessegueiros (prunus persica) (dois var. Early Red Heaven e dois Mara Rosa) apresentam-se com um aspecto pouco saudável. Após alguma investigação, concluímos que se trata da lepra do pessegueiro (Taphrina deformans).

Este fungo ataca as folhas, ramos, flores e os frutos. Primaveras frias e húmidas favorecem o desenvolvimento da doença. Com temperaturas abaixo dos 10 ºC o fungo não se desenvolve. A temperatura óptima de desenvolvimento é de 20ºC. A partir dos 26 a 30ºC o fungo não tem condições para viver. Esta última condição parece explicar o facto de que as folhas nascidas tardiamente sejam menos atacadas.
O principal cuidado a ter no combate e prevenção é a eliminação da madeira da poda. Na queda da folha, pulveriza-se com Calda Bordalesa. Antes da Primavera, pode-se proteger as árvores com um plástico.

61 Responses to “Lepra do pessegueiro (Taphrina deformans)”

  1. Paulo Santos

    Tambem tanho algos pessegeiros e trato 2 ou 3 vezes de nverno e começo logo a tratar ao sair dos goumos e faço sempre ate ao tamanho de uma noz com pomarsol ou captana e enxofre molhavel e ha algums que estao boms e outros apanha sempre deve ser das colidades mas ja ouvi falar que ezistem predutos biolojicos de varias ervas que fazem um tratamento eficas e nao fazem mal á saude gostava de saber algo soubre isso se fosse possivel obrigado.

  2. António Baptista

    Solução grátis para combater a lepra simples como os ovos.Em vez de mandar as cascas de ovos (crus) para o lixo enfiam-nas em sacas por exemplo das batatas do supermercado e pendurem nos pessegueiros. Barato e 100%eficaz.Eu cá não disse nada…………………………………………………………………………….

  3. José Rui

    Porque é que cascas de ovos haveriam de ter algum tipo de influência num fungo cujo desenvolvimento está relacionado com a temperatura?

  4. RUI LEMOS

    Bom Dia,
    Muito obrigado pela informação relevante e pelo bem ao ego que está a fazer sr. José Rui; tenho uma muito pequena quinta nos arredores de Sesimbra onde entre outras árvores de fruta tenho 4 pessegueiros novos (2 anos e meio) e apenas 1 tem lepra – nos 2 últimos anos a lepra não o larga; depois de ler os comentários deste blog considero-me um sortudo.
    Obrigado mais uma vez.
    Cordiais cumprimentos,
    Rui Lemos

  5. Arlindo Policarpo

    Bom dia
    Li com muito interesse todos os comentários, acho eu, e ajuda muito, aos interessados na matéria, penso que não vi um tratamento que se costuma fazer aqui na região do Oeste, pelas pessoas mais velhas, que consiste em por de molho alguns dias (pelo menos 3) hortigas, é o nome que se dá a estas ervas daninhas e que temos que ter muito cuidado a apanhar porque elas picam muito, e até a pessoas que são alérgicas. Depois filtra-se o líquido e pulverisa-se muitas vezes as árvores, visto ser um produto natural e menos eficaz, por isso temos que tratar mais vezes. Peço desculpa as empresas de produtos quimicos por lhes estragar o negocio.

  6. isabel santos

    Gostaria de tratar os meus pessegueiros sem usar pesticida ou quaisquer químicos. Dão lindos pêssegos mas logo apodrecem. Tenho varias árvores de fruto no meu quintal, a começar pelas ginjas, que estão já maduras. Como não tenho nenhuma experiência no assunto gostaria de receber alguns conselhos! Os Alperces são muito e grandes este ano, temo que apodreçam antes de maduros! Os pessegueiros têm a folha enrolada com bolhas, e uma espécie de piolho branco que apareceu nas pontas mais tenras. Os dióspiros caiu quase toda a flor. Não espero tê-los de novo este ano! O limoeiro não apresenta limões novos! Ainda tenho, macieiras ( uma foi enxertada este ano), Figueiras, uma laranjeira e uma tangerineira e duas pereiras. Como tenho dois netinhos pequenos gostava de dar-lhe este frutos sem medo dos venenos. Agradeço!

  7. José Rui

    Pessoalmente considero os Pessegueiros demasiado sensíveis para ter sem utilizar químicos. Não sei como, mas deve ser possível.

  8. Pedro

    Bom dia a todos
    Para quebrar um pouco o tom de finalização derrotista dado por José Lopes a esta discussão vou acrescentar alguns elementos da minha experiência.
    -Tenho cerca de 20 variedades diferentes de pessegueiro (em geral um exemplar de cada) plantadas desde 2014. As árvores estão numa encosta que começa no fundo do vale e se estende por 70m com uma inclinação de cerca de 10% e virada a sul. O fundo do vale tem sombra todo o dia até Fevereiro. Não é feito qualquer tipo de tratamento. São regadas apenas se mostrarem risco de morrer durante o primeiro e segundo verões depois de plantadas.
    -Há alguns exemplares que têm lepra todos os anos de forma mais ou menos intensa mas que mas que criam novas folhas quando o tempo aquece e dão fruta de calibre e quantidade aceitável. Estão todos no fundo do vale. No entanto, há exemplares no fundo do vale que apresentam pouco ou nenhum dano nas folhas.
    -Muitos exemplares nunca tiveram lepra ou se tiveram foi uma quantidade mínima. Este ano, que foi fresco e úmido, ocorreram casos de maior dano em alguns exemplares que ficaram rodeados de erva alta.
    Algumas conclusões:
    1-Há variedades mais resistentes que outras.
    2-Locais mais sombrios e menos arejados facilitam o ataque do fungo.
    3-É possível ter pêssegos sem fazer qualquer tipo de tratamento.
    Sugestões
    1-Mantenha a erva cortada em redor das árvores a partir da floração.
    2-Não plante pessegueiros em locais sombrios, pouco ventilados e úmidos.
    3-Mantenha uma boa distância entre árvores da mesma espécie (colocando outras no meio) para dificultar a propagação das doenças.

  9. isabel

    eu tb tinha o mesmo problema e resolvi fazer um tratamento que li na net. dilui-se um decilitro de sumo de limão em um litro de agua . tem que se coar para não entupir o pulverizador . Eu arranquei as folhas com lepra e depois dei a mistura.
    Pode ser feito varias vezes e tive bons resutados

Deixe uma resposta

Mantenha-se no tópico, seja simpático e escreva em português correcto. É permitido algum HTML básico. O seu e-mail não será publicado.

Subscreva este feed de comentários via RSS

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.