Uma nota sobre o triturador

Não me lembro se mencionei, mas adquiri um triturador Viking GE250 na Motocapucho. É o mais potente dos eléctricos exceptuando o GE260 trifásico. Diz o fabricante que tritura ramos até 3,5cm de diâmetro. Tenho triturado umas coisas e acho optimista. Tritura, mas com muita tendência a encravar o que obriga a bascular o funil, depois de desapertar duas cavilhas, numa operação fácil mas entediante.
Há pouco tempo, resolvi triturar mais uns ramos de ameixoeira. Delgados, com 15mm de diâmetro no máximo, mas já muito secos. Concluí à minha custa que o ideal é triturar tudo verde porque a lâmina puxa os ramos para dentro.
Nesta experiência, primeiro, a máquina lutava com os ramos ruidosamente e quando eu empurrava o material na direcção da lâmina, o “coice” era por demais. De tal maneira que voavam alguns por cima do muro alto, em direcção ao quintal vizinho. Parecia uma canhoeira circence. Insisti, mas estava a desagradar-me e ainda por cima estava sem óculos de protecção que não encontrei.
Foi por pouco tempo. Ao empurrar mais um grupo no funil, sai um como uma bala e acerta-me em cheio na mão. Estava de luvas de couro e andei para lá aos pinotes. Acabou a trituração num instante. Andei dois dias sem poder mexer a manápula. Só vos digo: Cuidadinho.